Startup Molegolar reinventa mercado imobiliário com “lego da vida real”

Ao longo da vida, as necessidades mudam. Ao comprar o primeiro apartamento, um jovem solteiro não precisa de muitos quartos ou de uma sala espaçosa. Mas ao casar e ter filhos, as prioridades mudam, e ter uma residência mais ampla talvez seja o desejo do proprietário.

Diante disso, o convencional é que ele saia em busca de um novo local para morar. Mas se ao invés de fazer isso fosse possível ampliar a moradia atual?

A startup pernambucana Molegolar, nascida da incorporadora Suassuna Fernandes, tem como proposta a venda de apartamentos modulares e a solução desse problema. De acordo com a empresa, a tecnologia funciona como um Lego, onde é possível acrescentar ou retirar espaços de acordo com a necessidade do cliente.

Como funciona

A partir de uma planta arquitetônica, adaptações modulares inteligentes podem ser realizadas para modificar espaços. Assim, é possível comprar um apartamento pequeno e ampliá-lo de acordo com a necessidade – ou realizar o contrário.

Isso é possível por meio da redistribuição dos elementos técnicos de uma obra. Com a combinação de unidades, é possível oferecer apartamentos com até quatro quartos de dimensões que vão de 54 a 224 metros quadrados.

Cada módulo tem uma documentação própria, o que facilita situações de distrato, divórcio, herança, compra e venda. De acordo com os empreendedores, a solução desenvolvida altera tanto a forma de empreender quanto a de projetar, além de facilitar a vida de quem gosta do local onde mora e precisa mudar pelo fato de o tamanho da residência não ser mais adequado às necessidades ou desejos.

Em julho do ano passado, mais de 40 empreendimentos estavam sendo construídos por meio de 38 incorporadoras com a tecnologia. O primeiro prédio, tem previsão de lançamento para este ano.

A startup, que já está em processo de internacionalização nos EUA, Espanha e Portugal, teve um investimento inicial de R$ 1 milhão e receita contratada de R$ 2,4 milhão.